fbpx
Mundo

Petro preso entre sua falsa promessa de austeridade e complicado perdão à Primeira Linha

Gustavo Petro tentou libertar os membros da Primeira Linha, designando-os como “gerentes da paz”

Dezembro é a época de fazer promessas ou ficar pendentes. Neste momento, o presidente colombiano Gustavo Petro está preso entre a oferta de austeridade que fez durante a campanha e o complicado perdão que ofereceu aos detidos da Primeira Linha que lideraram os violentos protestos no ano passado durante a greve contra o ex-presidente Iván Duke que durou mais de dois meses.

O primeiro já falhou. A moderação nos gastos públicos que Petro vociferou em sua campanha para ganhar eleitores foi concretizada com a assinatura do decreto 2.405, onde estabelece um novo aumento salarial para os parlamentares de 7,26%, o que representará 2,5 milhões de pesos a mais no bolso dos parlamentares.

Um relatório da Carteira confirma que o documento, assinado pelo ministro da Fazenda, José Antonio Ocampo, e pelo diretor administrativo da Função Pública, César Augusto Manrique, estabelece que o reajuste terá efeito retroativo porque abrangerá a partir de 1º de janeiro de 2022.

Esta disposição elevará o salário dos legisladores para 38 milhões de pesos, um montante equivalente a cerca de 7.900 dólares, e gerará um pagamento retroativo de 12 meses para os parlamentares que repitam o mandato e de seis meses para os que assumiram o cargo em julho.

Progressistas cúmplices

As deputadas do Pacto Histórico de Gustavo Petro, Clara López, María José Pizarro e Isabel Cristina Zuleta devem estar comemorando o aumento. Os três rejeitaram a proposta de redução salarial. A alegria vai durar?

No total, foram apresentados três projetos para baixar os salários dos parlamentares. Uma delas contempla inicialmente taxar 20% sobre o salário dos parlamentares até 2026 e a partir desse ano reduzir a remuneração para no máximo 25 salários mínimos. Essa reforma já passou por seus dois primeiros debates e deve passar por mais dois para continuar viva no Legislativo.

Um lançamento sem enredo

Embora Petro alegue que o aumento do salário dos parlamentares, que vai contra sua promessa de campanha, é uma obrigação prevista no artigo 187, o presidente carece de argumentos jurídicos para cumprir a promessa de desobrigação de integrantes da Primeira Línea gerindo a soltura de seus integrantes que liderou a violência e o caos na Colômbia no ano passado.

O presidente de esquerda insiste que “o direito de protestar é um direito democrático. O direito de se expressar, de se mobilizar, é um direito democrático e os governos que mandam as suas polícias matar, prender, torturar e deter jovens não são governos democráticos”, pois com este discurso, especificando um indulto antes da noite de Natal a favor dos os manifestantes presos por vários crimes, disfarçando a medida com a designação de “gerentes da paz”.

No entanto, cumprir a promessa feita à Primeira Linha não é fácil, quando a denúncia da promotoria indica que quatro membros desse grupo teriam supostos vínculos com os chamados “dissidentes” das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Além disso, o magistrado Hugo Alexander Ríos, presidente do Tribunal de Bogotá, afirma que as pessoas capturadas e processadas no âmbito dos protestos são consequência das medidas de segurança ordenadas pelos juízes.

“Todas as decisões dos juízes foram tomadas com base em um sistema legal, são decisões legítimas. As pessoas privadas de liberdade aí se encontram por ordem da autoridade competente expedida de acordo com os procedimentos estabelecidos na Constituição e na lei”.

Petro busca atalhos diante de processos judiciais para cumprir sua promessa à Primeira Linha. O presidente pretende que dos 650 réus, metade receba benefícios e plena liberdade. Para isso, anunciou que criou uma “comissão de alto nível” para propor um regulamento que lhe facilite o cumprimento de sua missão.

Fonte: PanAm Post

Print Friendly, PDF & Email

Joabson João

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »
Brasil 200 anos Brasil luta pela liberdade Séries Netflix tem mais de 1 bilhão de horas assistidas Emancipation – Uma História de Liberdade Wandinha Episódios