fbpx
Mundo Militar

Substituição do Pavilhão Nacional, em Brasília, é realizada pela Marinha

Compartilhar

Evento homenageia o Dia do Marinheiro.

Em comemoração ao Dia do Marinheiro, celebrado anualmente em 13 de dezembro, a Marinha do Brasil (MB) realizou, neste domingo (4), a Cerimônia de Substituição do Pavilhão Nacional, na Praça dos Três Poderes, em Brasília (DF). Além de dezembro, a Marinha também é a responsável por fazer a troca em junho (Batalha Naval do Riachuelo) e em setembro (Independência do Brasil). 

A cerimônia foi presidida pelo Ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Também participaram do evento o Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos e o Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Renato Rodrigues de Aguiar Freire, além de outras autoridades militares e civis.

A produtora rural, Thais Fioravanti Barneze, veio de Campo Grande (MS) para ver a troca da Bandeira Nacional. “Estou participando desse evento maravilhoso e único da nossa nação com muita emoção aqui em Brasília. Estamos muito felizes por presenciarmos a troca da maior bandeira da nossa nação. Agradeço a Deus por essa oportunidade”, ressaltou.

Aproximadamente 400 militares participaram da cerimônia que contou com o desfile da tropa e a apresentação da Banda Marcial do Corpo de Fuzileiros Navais. O hasteamento da nova bandeira foi feito ao som do Hino Nacional executado pela Banda de Música do Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília (GptFNB) e do soar de sete vivas em toque de apito marinheiro, símbolo da tradição naval utilizado a bordo dos navios e das Organizações Militares da MB. Durante o içamento, uma bateria de salvas do GPTFNB efetuou 21 tiros de canhão. O Hino à Bandeira foi cantado por todos e acompanhado da Banda Marcial do Corpo de Fuzileiros Navais durante o arriamento da bandeira substituída.

O encarregado da Subseção de Cerimônias Militares do Comando do 7˚ Distrito Naval, Capitão de Corveta (Fuzileiro Naval) André Venício de Menezes Lima, explica que a troca da bandeira é, também, um ritual tradicional na Marinha e acontece diariamente, sendo o hasteamento feito na parte da manhã e o arriamento ao pôr do sol. “O hasteamento da bandeira simboliza o sentimento de patriotismo e é realizado em navios e embarcações e também em organizações militares em terra”, explicou.

O tradicional “Bandeirão”

Tradicionalmente, no primeiro domingo de cada mês é realizada a Cerimônia de Substituição da Bandeira Nacional, popularmente conhecida como “Bandeirão”, quando o novo pavilhão deve atingir o topo do mastro antes que o anterior comece a ser arriado. Em cumprimento à Lei nº 5.700, de 1º de setembro de 1971, a Bandeira Nacional é mantida permanentemente içada no topo do mastro especial da Praça dos Três Poderes, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Essa é a maior bandeira hasteada do mundo, com 286 m² e 90 quilos. O mastro possui 100 metros de altura e em sua base está grafada a frase “Sob a guarda do povo brasileiro, nesta Praça dos Três Poderes, a Bandeira sempre no alto”. A cerimônia de substituição é feita com revezamento entre: Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira, Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, Policia Militar do Distrito Federal e Governo do Distrito Federal.

13 de dezembro: Dia do Marinheiro 

Esta data foi escolhida em 1925, pelo então ministro da Marinha, Almirante Alexandrino de Alencar, em homenagem ao Almirante Joaquim Marques de Lisboa, Marquês de Tamandaré, patrono da Marinha, que nasceu em 13 de dezembro de 1807. A homenagem à Tamandaré foi muito significativa, pois ele dedicou toda sua vida à Força Naval e é um exemplo para todos os marinheiros. Ficou conhecido por seus atos de bravura e distinguiu-se por sua coragem e cavalheirismo. 

Tamandaré viveu em uma época importante para a formação do Brasil. Assistiu a colônia se tornar Reino Unido, depois Império e, mais tarde, República. Participou de quatro guerras e contribuiu para evitar a desagregação do território brasileiro, atuando contra várias revoltas internas no país. Ele faz parte do grupo de militares, diplomatas, políticos e estadistas que legou, aos brasileiros, por meio de suas realizações, a herança de um país de proporções continentais, rico em recursos naturais, que abriga uma população unida por um idioma e uma cultura.

Fonte: Agência Marinha de Notícias


Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Translate »
Brasil 200 anos Brasil luta pela liberdade Séries Netflix tem mais de 1 bilhão de horas assistidas Emancipation – Uma História de Liberdade Wandinha Episódios