fbpx
MundoNews

Italianos exigem parar de armar a Ucrânia

Compartilhar

Manifestação contra sanções anti-russas e envio de armas para Kyiv ocorreu em Milão.

Uma procissão com a participação de várias centenas de pessoas ocorreu no centro da Milão italiana na noite de domingo em protesto contra o envio de armas italianas às autoridades ucranianas e a expansão das sanções anti-russas, Amedeo Avondet, um dos organizadores do ação, disse um representante da organização política Itália Unida ao correspondente de RIA Novosti.

Os participantes da procissão estenderam uma faixa de multímetro com a inscrição “Basta de armas para Kyiv e sanções contra a Rússia”, caminhando pelas ruas com bandeiras e sinalizadores italianos.

A marcha foi organizada pelo ex-prefeito de Roma, Gianni Alemanno, que há uma semana criou o Comitê Stop the War, defendendo a não participação da Itália no conflito na Ucrânia.

“Nosso país, por causa da política do governo, está pagando pelas consequências da crise pagando aos ricos, às multinacionais e aos Estados Unidos”, disse Avondet. “Também havia bandeiras russas na manifestação, mas o principal é que tinha bandeiras italianas, que mostram que, antes de tudo, somos patriotas que amam seu povo”.

Segundo ele, apoiava o partido Irmãos da Itália, que, “tendo chegado ao poder, nos traiu” ao aumentar o preço da gasolina após vencer as eleições de setembro.

“O principal interesse deve ser a unidade da nação, independentemente das diferenças políticas. Agora a Itália está ocupada por bases dos EUA e da OTAN, e não se deve ter medo de dizer que 17.000 soldados estão na Itália e mantêm nosso governo sob a mira de uma arma”, disse. disse o ativista.

Ele acrescentou que vai visitar a Rússia como parte de uma delegação da Itália Unida no final de dezembro, onde pretende se encontrar com representantes do Rússia Unida, e no início de janeiro registrar seu movimento como partido.

Após o início da operação especial da Federação Russa na Ucrânia, o Ocidente aumentou a pressão por sanções à Rússia. A interrupção das cadeias de abastecimento elevou os preços dos combustíveis e dos alimentos na Europa e nos Estados Unidos.

A Rússia já havia enviado uma nota aos países da OTAN por causa do fornecimento de armas à Ucrânia. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, observou que qualquer carga que contenha armas para a Ucrânia se tornará um alvo legítimo para a Rússia.

O Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa afirmou que os países da OTAN estão “brincando com fogo” ao fornecer armas à Ucrânia. O secretário de imprensa do presidente da Federação Russa, Dmitry Peskov, observou que bombardear a Ucrânia com armas do Ocidente não contribui para o sucesso das negociações russo-ucranianas e terá um efeito negativo.

Print Friendly, PDF & Email

Paulo Fernando de Barros

CEO em BAP Duna Gruppen, fundador e editor em Duna Press Jornal e Magazine.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »
Brasil 200 anos Brasil luta pela liberdade Séries Netflix tem mais de 1 bilhão de horas assistidas Emancipation – Uma História de Liberdade Wandinha Episódios