fbpx
Política

Bolsonaro não desiste: o plano seria enfrentar Lula com um “gabinete paralelo”

A formação de um “gabinete paralelo” para Bolsonaro a partir de 2023 é uma proposta que um grupo de seus assessores estaria avaliando.

A posição do presidente Jair Bolsonaro quanto à proclamação de Luiz Inácio Lula da Silva como seu sucessor a partir de 1º de janeiro permanece um enigma. Ainda que a transição esteja em andamento, a ala política do presidente, o Partido Liberal (PL), pediu -sem sucesso- a anulação das eleições, e Bolsonaro, que compareceu neste sábado à formatura da turma do Bicentenário dos Agulhas Negras das Forças Armadas, evitaram fazer qualquer discurso, o que é interpretado como uma jogada política que oscila entre a prudência e a expectativa para não desanimar seus seguidores que permanecem nas ruas protestando contra o resultado eleitoral. Seus assessores também avaliam diferentes cenários.

O atual presidente não reconheceu a derrota nas urnas. Em sua primeira declaração após a votação, limitou-se a ratificar seu compromisso com a defesa da Constituição, o que para muitos de seus seguidores se traduziu em uma eventual invocação do artigo 142 que -segundo algumas interpretações- permitiria uma “intervenção federal “a ser solicitado.”, conforme reclamavam os manifestantes em frente ao quartel. Mas esse caminho aventureiro não tem suporte total em seu ambiente mais próximo. Um grupo de seus assessores políticos estaria trabalhando em um projeto para garantir que a partir de 2023 Bolsonaro tenha um “gabinete paralelo” de onde comandaria a oposição a Lula, segundo a Veja .

“A ideia é que Bolsonaro receba um salário fixo, tenha assessores à disposição e, principalmente, uma equipe técnica capaz de lhe fornecer informações em áreas estratégicas como economia, saúde e educação”, detalha o jornal brasileiro, que acrescenta que sua lives semanais continuarão mesmo depois que Lula assumir o poder. O líder da direita brasileira se dedicaria ao debate de propostas e críticas ao futuro governo com base em dados e opiniões de especialistas, para o que também contaria com funcionários contratados pelos parlamentares de Bolsonaro, que serão a primeira minoria nas duas casas do Congresso.

Uma semana antes de anunciar que pediria a anulação das eleições por supostas irregularidades nas máquinas de modelos anteriores a 2020, Valdemar Costa Neto, presidente do PL, havia declarado que seu partido fará ” forte oposição ” ao governo de Lula da Silva para enfrentar os “valores comunistas e socialistas” que o novo governo que será liderado pelo fundador do Foro de São Paulo pode promover. Na ocasião, ele também anunciou que “muito provavelmente” Jair Bolsonaro voltará a aspirar à Presidência em 2026.

Fonte: Panam Post

Print Friendly, PDF & Email

Joabson João

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »
Brasil 200 anos Brasil luta pela liberdade Séries Netflix tem mais de 1 bilhão de horas assistidas Emancipation – Uma História de Liberdade Wandinha Episódios