fbpx
Educação

Pós-graduação no exterior turbina carreira de profissionais sênior

Compartilhar

Intercâmbio para estudar em universidades estrangeiras não é mais privilégio de jovens e pode impulsionar empregabilidade e salários.

Eram meados de setembro quando Regina Chau, 58 anos, pisou pela primeira vez na University of Greenwich, em Londres, como estudante regular do Master’s in Landscape and Architecture. Formada em Arquitetura desde 2015, ela já atuava no ramo da construção civil desde 1996, mas decidiu cursar um programa de pós-graduação no exterior para turbinar o currículo e descobrir novas possibilidades para a carreira. Assim como Regina, brasileiros com mais de 50 anos têm buscado, cada vez mais, oportunidades em instituições de ensino estrangeiras, um movimento que não puderam fazer na juventude.

Nos últimos anos, há uma avalanche de brasileiros indo para o exterior. De acordo com dados mais recentes do Itamaraty, de 2020, o número de cidadãos brasileiros vivendo fora do país nunca foi tão alto: 4,2 milhões. O volume representa um aumento de 35% em dez anos. Os motivos são diversos e vão da descoberta de mercados em que a qualificação profissional ou acadêmica é mais valorizada à realização de projetos e objetivos pessoais. É o caso de Regina. “Eu decidi que precisava ter essa experiência porque adiei algumas etapas da minha vida em prol da família e do trabalho, mas agora sinto que ainda sou capaz de dar continuidade ao que deixei de fazer lá atrás. Então, abri a gaveta e tirei de lá muitos papéis amarelados pelo tempo: diplomas, históricos e sonhos que eu já havia arquivado”, conta.

Em termos de salário e empregabilidade, a decisão que ela tomou parece ter sido acertada. No Brasil, o número de desempregados com mais de 50 anos chegou a 1,4 milhão em 2021, segundo pesquisa da consultoria Idados. O mercado de trabalho nacional demonstra dificuldade em absorver essa mão-de-obra. Enquanto isso, estudos realizados em todo o mundo demonstram que ter uma vivência acadêmica no exterior aumenta de forma significativa as chances de contratação. Para Leonardo Trench, diretor da Gradeup Education Consultancy, especializada na preparação e orientação de estudantes e profissionais de todo o Brasil para programas acadêmicos no exterior, “cursar uma graduação ou uma pós-graduação no exterior é uma decisão que vale como aprimoramento pessoal, não importa qual é o objetivo. Quem volta de um período como esse tem muito mais chances de se inserir no mercado de trabalho seja aqui, seja em qualquer parte do mundo”.

Empregabilidade e novas oportunidades

Não é apenas uma questão de melhorar o currículo para ganhar mais ou ter mais chances de ser contratado no Brasil. Muitas dessas pessoas que saem daqui para estudar acabam não retornando porque encontram, lá fora, oportunidades imperdíveis. Alessandra Queiroz Russel, 57 anos, tinha 20 anos de carreira no Direito quando saiu de Fortaleza para cursar International Dispute Resolution LLM na University of Westminster, também em Londres, em 2016. Depois de finalizar o programa, ela acabou sendo convidada a lecionar na mesma instituição e na Universidade de Bournemouth, onde está até hoje. “A ideia era fazer o mestrado e voltar para o Brasil. Eu sempre quis trabalhar na área acadêmica, mas ter vindo para a Inglaterra foi o que permitiu que esse objetivo se concretizasse. Não esperava ter a oportunidade de lecionar aqui mesmo, na Europa”, explica.

“Atualmente o intercâmbio acadêmico está deixando de ser exclusividade dos mais jovens, daqueles que estão terminando o Ensino Médio, porque as pessoas estão percebendo que podem ter todo um universo de experiências pessoais e profissionais quando se propõem a desbravar novas culturas”, diz Trench. Toda essa procura fez desse mercado uma super potência econômica. A Brazilian Educational & Language Travel Association (Belta) estima que o setor movimente mais de US$ 1,3 bilhão todos os anos.

Sobre a GradeUP

A GradeUP é uma consultoria especializada na preparação e orientação de estudantes e profissionais de todo o Brasil a ingressar em programas acadêmicos das universidades mais prestigiadas do mundo. Com mais de dez anos de experiência em consultoria educacional internacional, a empresa tem parceria com as principais instituições de ensino superior de países como o Reino Unido, Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Itália, Alemanha, entre outros. Para isso, conta com consultores treinados e qualificados em aconselhamento educacional. Além disso, todo o staff tem experiência acadêmica e profissional no exterior.

Release Central Press

Print Friendly, PDF & Email

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Translate »
Brasil 200 anos Brasil luta pela liberdade Séries Netflix tem mais de 1 bilhão de horas assistidas Emancipation – Uma História de Liberdade Wandinha Episódios