fbpx
News

Com participação da UEL, Cia Agro usa inteligência artificial no combate a pragas da soja

Compartilhar

Além de pesquisadores de instituições públicas voltadas ao desenvolvimento rural, o Centro de Inteligência no Agronegócio projeta desenvolver nos próximos dois anos sistemas preditivos para o combate da ferrugem-asiática e do mofo-branco, principais doenças da soja.

Constituído por professores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e da Universidade Federal Tecnológica do Paraná (UTFPR), além de pesquisadores de instituições públicas voltadas ao desenvolvimento rural, o Centro de Inteligência no Agronegócio (Cia Agro) projeta desenvolver, nos próximos dois anos, sistemas preditivos (análise de conjuntos específicos de dados para prever cenários ou tendências para futuros próximos ou relativamente distantes) para o combate da ferrugem-asiática e do mofo-branco, principais doenças da soja.

A meta é integrar subprojetos das áreas das Ciências da Computação e das Ciências Agrárias, além de desenvolver parcerias com empresas, universidades, cooperativas e startups. Proposta que integra o conceito de Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação (Napi) do Paraná, o Cia Agro foi criado em 2020 e conta com o apoio da Fundação Araucária. O projeto está apto a receber investimentos privados durante o período de elaboração.

De acordo com o professor da UEL e CEO de Projetos do Cia Agro, Marcelo Canteri, as primeiras ações previstas serão voltadas para a automação da rede de monitoramento de manejo da ferrugem-asiática e para o desenvolvimento de modelos preditivos e prescritivos para o controle do mofo-branco.

“Serão aglutinados os resultados de projetos focados na integração de informações climáticas, segurança e privacidade e na aquisição de informações contidas em imagens registradas por veículos aéreos não tripulados (drones). Todas estas ações serão integradas por uma plataforma de inteligência artificial, capaz de integrar, também, modelos e soluções como serviços”, afirma.

Segundo ele, as equipes de pesquisadores da UTFPR e do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR) estão responsáveis pela automatização da leitura da presença de esporos de ferrugem detectados em coletores de esporos espalhados pelo Estado. “Esta automatização da leitura de armadilhas caça-esporo já será implementada nesta próxima safra (2022/2023), permitindo economia de tempo na apresentação de resultados de presença de esporos na região geográfica do plantio de soja no Estado”, afirma.

Ao mesmo tempo, a UEL e o IDR-PR vêm desenvolvendo ações que buscam a otimização dos mapas de condições agrometeorológicas para o Estado, visando o controle de doenças em plantas. Ao final desta primeira ação serão fornecidos mapas interativos com a presença dos patógenos causadores da ferrugem.

“Quando se fala em Inteligência Artificial, temos que ter noção de que ela só pode ser executada se existirem dados para serem processados. No caso da agricultura, a Internet das Coisas é o grande fornecedor destes dados”. explica Canteri. “Termos como Deep Learning, Machine Learning, agricultura de precisão, data mining, redes neurais e lógica fuzzy também tem aplicações na Inteligência Artificial. Outras aplicações como nariz eletrônico que detecta a presença de moléculas orgânicas no ar usadas para detecção de doenças em plantas estão sendo desenvolvidas em outros países e estão no radar do Cia Agro”.

PRAGAS – Considerado um grande problema fitossanitário também para outras culturas, como algodão, feijão, tomate e batata, o mofo-branco atinge cerca de 30% do território nacional e surge a partir da ação de um fungo fitopatogênico (Sclerotinia sclerotiorum) habitante do solo. No caso da soja, estima-se que as perdas econômicas alcancem US$ 1,47 bilhão anuais no Brasil.

No entanto, a principal doença da planta é a ferrugem-asiática, identificada pela primeira vez na América Latina na safra 2001/2002, no Paraná. Também causada por um fungo (Phakopsora pachyrhizi), ela pode ocasionar perdas de até 100% da lavoura, sendo identificada através do aparecimento de manchas escuras inicialmente no terço inferior da planta. 

    CIA AGRO – Atualmente, o Cia Agro é formado por cerca de 50 membros, dentre pesquisadores-líderes de subprojetos, demais pesquisadores e alunos de pós-graduação ligados às instituições de pesquisa que contribuem ativamente no desenvolvimento social. Integram o grupo representantes das seguintes instituições: UEL, UTFPR, IDR-PR, Embrapa Soja e a Fundação ABC. O Centro também conta com o apoio da Fundação Chapadão (Mato Grosso do Sul).

    Há, ainda, articulações com empresas privadas, tais como a Adama, multinacional sediada em Londrina, a Jacto, de Paulínia (SP), e a Cooperativa Agrária de Guarapuava. “Além destas instituições, que formam o núcleo duro do CIA Agro, também há interações com a Agrovalley, com o Sebrae e com o Tecnocentro de Londrina. Também há uma parceria com a Università degli Studi di Trieste da Itália, onde Sylvio Barbon, ex-professor da UEL, atua na área de Inteligência artificial”, explica Canteri.

    ARTICULAÇÕES – No entanto, as articulações que deram origem ao Centro de Inteligência do Agronegócio tiveram início em 2020, como resposta ao edital do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTIC), em conjunto com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), para a criação de Centros de Pesquisa Aplicada em Inteligência Artificial para a agricultura, saúde, indústria e cidades inteligentes. Em pleno avanço da pandemia da Covid-19, reuniões remotas e lives com agentes públicos foram realizadas, tendo em vista a vinda do Centro de Inteligência Artificial voltado à agricultura para o Paraná. 

    Já em 2021, a proposta apresentada à Fapesp resultou na assinatura de um Termo de Convênio para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) com a Fundação Araucária, no valor de R$ 1 milhão. O recurso foi investido no Cia Agro na proporção 50/50, ou seja, o mesmo montante será investido pelo setor privado ao longo de dois anos, prazo para execução dos primeiros projetos.

    “O Centro não atuará apenas nestes dois projetos. Já existem novos projetos em andamento, como uma potencial parceria com algumas cooperativas para usar conceitos de Inteligência Artificial em blockchain para cadeia de produção de carnes”, conclui o docente.

    Os objetivos do complexo projeto desenvolvido pelo grupo de pesquisadores e professores foram apresentados no 1º Workshop Cia Agro, no dia 26 de agosto. Na ocasião, também foram apresentados os resultados dos primeiros seis meses de trabalho. Poucos dias antes, o Cia Agro foi apresentado no “2022 Cooperation Forum Brasil & China on Science, Technology and Innovation”, cujo objetivo foi ampliar a visibilidade do projeto buscando fomentar parcerias internacionais.

    Fonte: Agência de Notícias do Paraná


    Seu apoio é importante, tornando-se um assinante você está contribuindo para o crescimento do bom jornalismo e ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras. Obrigado pelo apoio! Duna Press Jornal e Magazine, mídia livre e independente trabalhando a informação com ética e respeito ao leitor. Notícias, oportunidades e negócios, seu portal nórdico em português.

    Assinatura Anual
    Assinatura Anual

    Print Friendly, PDF & Email

    Wesley Lima

    Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.

    Artigos relacionados

    Deixe um comentário

    Botão Voltar ao topo
    Translate »
    Brasil 200 anos Brasil luta pela liberdade Séries Netflix tem mais de 1 bilhão de horas assistidas Emancipation – Uma História de Liberdade Wandinha Episódios